sexta-feira, 24 de outubro de 2014

Isso não te escandaliza, Fernando?




Abro o jornal e foi como se acordasse de um sonho estranho, um gosto de vidro e corte. No jornal “O Tempo” de 5 de outubro de 2014 leio um artigo ofendendo o Partido dos Trabalhadores, PT, partido que ajudei a fundar e a que dediquei grande parte da minha vida. Sim, sei que o papel aceita tudo, sim sei que a direita loteou a imprensa com um bando de sicofantas, criando uma nova profissão: o odiador profissional do PT.

Acontece que que o artigo não era do “Diogro” Mainnerd, Palhares Javor, do Demérito Cro-Magnoli ou do Nefando Marco Antônio Vila-Baixa. Não gente, era do cara que admiramos, que escreveu numa música que “o artista tem de ir aonde o povo está”, era Fernando Brant!

Ele defende o voto em Aécio Neves! O Fernando Brant acredita que Aécio é o povo! Sobre o PT, escreve: “O PT está fazendo um estrago enorme no país do ponto de vista da liberdade, da cultura e da gestão propriamente dita. O atual Governo rouba muito e gerencia muito mal”.  Ouviu, Patrus? Ouviu Nilmário? Ouviu Durval, Rogério?

O Fernando está nos chamando de ladrões e de incompetentes! E xinga também o PCdoB, ouviu Jô Moraes? Ele diz que o PCdoB e o PT prejudicam a classe artística!

Acontece, Fernando Brant, que descobri que minha arma é o que a minha memória guarda dos tempos da Panair. Minha memória me conta de quem fez a compra de votos para reeleição, a privataria, o escândalo do SIVAM, do juiz Lalau, do banco Marka e quem começou o “Mensalão” com Marcos Valério. (Ver o jornal “O Tempo” 7/02/2006)

Isso não te escandaliza, Fernando Brant?

Você escreve: “O PT está transformando o Brasil em uma ditadura stalinista.” Você não fala de coisas reais. A impressão que tenho é que você lê o jornal “Estrago de Minas” e acredita.
Santa ingenuidade! Desconfio que você deva ter acreditado até no “Déficit Zero”! Há eleições, as instituições funcionam normalmente, temos liberdade partidária, de manifestação, de imprensa (até para caluniar, como você faz), direito de greve, Ministério Público e tudo. Onde Ditadura, Fernando?
Governo do PT, Stalinista? Existem campos de concentração, o Governo prendeu ou matou alguém? Tem partido único? Como diz a Bíblia: “Cada um fala daquilo que no coração lhe abunda”. Acusar os outros sem prova, isto sim cheira a stalinismo.

Já que você está caçando stalinismo eu vou lhe dar uma pista: O Roberto Freire conseguiu fazer algo que nem a Ditadura Militar conseguiu: acabar com o partidão, o antigo PCB. Ele o transformou em PPS – Perigosas Peruas Socialistas. Neste partido você não vai encontrar nenhum socialista, nenhum comunista. Mas vai encontrar o stalinismo que procura.

Pois bem, essa figura melíflua e repulsiva chamada Roberto Freire apoia o candidato querido, Aécio Neves! Controlar a imprensa como fez em Minas o seu fofo candidato Aécio, isso sim cheira a stalinismo.

Minas é a terra de Borjalo, Mangabeira, Ziraldo e de Henfil, nosso maior chargista. Pois bem, nos oito anos de Aécio e nos quatro de Anastasia, você não vai encontrar uma única charge criticando os dois, Fernando! Porque não podia, Fernando!

O chargista seria demitido como foi o Kajuru, como foi o jornalista do MGTV. Isso não te escandaliza, Fernando?

Quem mata gente é o “Choque de Gestão” do Aécio. Na Cemig, terceirização, marca registrada dos tucanos, mata um trabalhador a cada 45 dias, vítima de acidente de trabalho. Mas isso não sai nos jornais porque não deixam, Fernando!

Sabe a Maria-Maria, aquela que “não vive, apenas aguenta” na sua música? Com o Governo do PT, Maria-Maria mudou de vida, passou a andar de avião, tem luz em casa, tem Fernando! Tudo graças ao Governo que você xinga. Os filhos da Maria-Maria agora podem estudar também. Achei que você fosse se alegrar com isso, Fernando.

Você diz que passou 21 dias anos da sua vida aguentando uma ditadura. Eu também. E sabe quem não passou? O Abi-Ackel. Ele passou fazendo a ditadura como Ministro da Justiça. Entre suas tarefas estava a censura e a urdidura da Lei dos Estrangeiros, que visava trocar prisioneiros políticos com as ditaduras vizinhas. Pois bem, ele foi secretário do primeiro mandato de Aécio. O partido da ditadura, a Arena, virou PDS, virou PFL e depois virou “Democratas”. Seu irmão, quando confessou caixa dois, estava nesse partido. Esse partido que é o grande inimigo da Comissão de Verdade e é o maior aliado dos tucanos e do seu amado Aécio.

Isso não te escandaliza, Fernando?

No Pasquim, no Humordaz, na Folha e em vários jornais lutei contra a ditadura usando as minhas charges. O Clube da Esquina lutou com suas músicas. E confesso que suas músicas me animavam nesta luta. Eu acreditava nas suas letras.

Desconfio, Fernando, que o PT e o PCdoB lutaram um pouco mais que nós. Lula, por exemplo, organizou os operários, comandou greves, foi perseguido e preso.

P PCdoB fez a guerrilha do Araguaia e seus militantes deram a vida nessa luta.  Dentre eles o Oswaldão. Esse sim, um mineiro à altura de Tiradentes, o oposto desse mineiro ostentação que é o Aécio Neves, conhecido fora do “Clube da  Esquina” como “Menino do Rio”.

O PT não é partido só meu e de milhões de eleitores. É o Partido  de Sérgio Buarque de Hollanda, Paulo Freire, Chico Mendes, Florestan Fernandes, Luís Carlos Prestes, Mário Pedrosa , Antônio Cândido, Celso Furtado, Apolônio de Carvalho, Antônio Callado, Marilena Chauí, Lélio Abramo, Nelson pereira dos Santos, Perseu Abramo, Célio de Castro, Dona Helena Greco, Fernando de Morais, Antônio e Camila Pitanga, Paulo Betti, Antônio Fagundes, Zé de Abreu, Luís Fernando Veríssimo, Chico César, Otto, Luís Melodia, Pereira da Viola, Regina Souza, Vander Lee, Aldir Blanc, Marina Lima, Zé Celso Martinez, Hildegard Angel, Beth Carvalho, Nelson Sargento, Leonardo Boff, Frei Betto, Carlito Maia, Sérgio Mamberti, Betinho e Henfil, Chico Buarque, Toninho  Horta e Wagner Tiso, entre outros.

Se você acha que essa turma atrapalha a cultura brasileira , o problema é seu.

Claro que vocês também têm um time de peso: Ronaldinho, Zico, César Menotti e Fabiano, William Waasp, Luciano Huck, Sandy e Júnior, Cifrãozinho e Pororó, Fagner, Jabor, Mainardi, Caio Blind, Lucas Mendes, Roger, Lobão, Josta Quest, Enerval Pereira, Sinhozinho Malta, Regina Duarte, Maitê Proença, Odete Roithman, João Dória Jr, Oldack Esteves, Ronaldo Praga, Armínio Praga, Paulo Paia, Levy Fidelix, Bolsonaro, Feliciano, Malafaia, Tiago Lacerda, Marcelo Madureira, Jarbas Passarinho, Ronaldo Caiado e Dado Dolabela. O que seria da  cultura brasileira sem eles?

Estranho esse seu Aécio, Fernando. Ele Casou e foi para Nova Iorque passar sua lua de mel com investidores abutres. Tremo ao pensar o que lhes terá prometido: subir a gasolina, abaixar os salários, entregar o pré-sal e ajudar o Tio Sam-grento a submeter novamente os países da América Latina que escapam da canga dos “Istazunidos” e teimam em cantar a canção da Unidade Latino americana.

Tremei bolivarianos! Vai  começar a nova operação Condor, liderada pro Aécio Neves, ungido pelo lixo ocidental ao posto de caçador de inconfidentes, petistas, libertadores da América, Djangos livres.
Querem os tucanos que o Brasil volte a falar grosso com os hermanos do continente e a falar fino com os istazunidos, como disse Chico Buarque.

Fernando, o que tem em comum com Tancredo Neves o Aécio, fora o sobrenome? O que diria ele vendo o neto reprimir manifestações de rua ou  a greve dos professores com a policia?
Tancredo morreria de novo vendo Aécio se calar ou aprovar as privatizações das empresas estatais que ele sempre defendeu, ao lado de Getúlio e Juscelino.

Teotônio Vilela começou na direita e se converteu á esquerda! Que pena, Fernando, que você fez o contrário do “Menestrel das Alagoas”. Você não fala mais na bota e no anel de Zapata!
Como um dia guardamos você no lado esquerdo do peito, queria que você encontrasse aquele verso menino de tantos anos atrás. Falo assim com tristeza, falo por acreditar que é cobrando o que fomos que nós iremos crescer.

Queria ouvir todos os alarmas dizendo que o homem que você era voltou.

Outros outubros virão!

Fernando, o que vou dizer você nunca ouviu de mim, coração civil.

A julgar por suas crônicas medianas no Estado de Minas” e por esse artigo sicofanta no Tempo, temo que a perda seja total. Do letrista genial que era, Fernando Brant talvez acabe na Revista Veja, substituindo o Lobão como odiador profissional da esquerda.

Nilson

Chargista e eleitor da Dilma.


P.S: Eu confesso, sou do PT e confesso que roubei. Roubei pedaços de suas letras para lhe dar má resposta que você mereceu. 

3 comentários:

  1. Nilson voce, como sempre, FOI ÓTIMO! Pena que o Fernando, tão importante para nós mineiros, tenha sido tão infeliz e negado sua origem! Seguindo uma urbe que de nada tem a acrescentar, só mesmo ódio a derramar e a nos infestar com seus lamentos hedonistas e egoístas! Parabéns Nilson, continue a nos revelar a voz!

    ResponderExcluir
  2. nilson, parabéns. e o que mais me impressionou no seu artigo de petista (o que não sou), é a mais cristalina evidência da mordaça da imprensa mineira dos últimos 12 anos: em uma terra que pariu ziraldo, borjalo, mangabeira e henfil, não houve uma só charge na grande imprensa criticando o aécio. a charge, que respira a brincadeira moleque com a política, durante 12 anos ficou sem brincar em minas. ficou de castigo. isso deveria escandalizar até mesmo a direita. ou desapareceu da face da terra nossa valorosa direita democrática?

    ResponderExcluir
  3. Parabéns pelo texto. Acho que o Fernando Brant, se leu seu texto, deve ter ficado com vergonha de si mesmo...

    ResponderExcluir